Como a tecnologia está impactando o mercado imobiliário?

Assim como o mercado jurídico, o mercado imobiliário possui práticas ainda muito tradicionais e que estão sendo impactadas pelas tecnologias que nascem na Revolução Industrial que estamos vivendo atualmente, a 4.0.

Antes de mais nada, se você atua no mercado imobiliário e ainda não entende o mundo da tecnologia não se preocupe. Durante todo o texto explicarei o significado de cada palavra ou expressão típica dessa nova Revolução.

O mercado imobiliário passa atualmente por grande transformação nas formas como as pessoas negociam os seus imóveis e alugueres. Tradicionalmente, no ciclo de negócio da compra e venda do imóvel o corretor de imóveis ou a imobiliária espera que o cliente apareça em seu escritório ofertando um imóvel ou buscando um para comprar e atingir o “seu sonho” da casa própria. O profissional ouve os desejos do cliente e lhe oferece o que melhor lhe atende.

Customer Experience

Neste aspecto, as transformações sociais, principalmente na forma como nos relacionamos uns com os outros, sofreu uma grande virada. Cada vez mais os clientes estão buscando se relacionar com empresas que lhe proporcionam uma boa experiência de consumo. É o que se chama de customer experience (experiência do cliente).

Não foi diferente no mercado imobiliário. Com a crise no setor houve o aumento no número de imóveis disponíveis e desocupados. O que naturalmente obrigou a profissionais a buscarem novas formas de ofertar esses imóveis. Sabendo que o imóvel parado (vazio) é um passivo financeiro por não gerar renda temos duas possibilidades: a venda para se livrar das despesas originadas da manutenção do imóvel a um preço mais barato ou o aluguel de valor que consiga cobrir as despesas que ele gera (tributos, condomínio em caso de aptos, reparos, etc).

Para enfrentar o mercado customer experience é a expressão do momento. Gerar uma ótima experiência para o seu cliente é diferencial para o corretor de imóveis e para as imobiliárias e construtoras, principalmente nos dias atuais que a vida está cada vez mais digital e as informações são trocadas muito rapidamente. Uso de realidade virtual na visitação dos imóveis, boa relação com o cliente a partir do site da empresa ou a apresentação de projeções em 3D, presença nas redes sociais com conteúdos que se conectam emocionalmente com a sua persona (cliente certo e não qualquer cliente) sem necessariamente ter uma chamada para ação (a venda propriamente dita), QR code na velha placa de “vende-se” para que o cliente possa ter acesso a mais informações sobre o imóvel ofertado, são alguns aspectos que podem ser observados boas práticas de customer experience.

Economia colaborativa

No que se refere a aluguel, damos destaque a duas startups: a Quinto Andar e o Airbnb. Ambas são empresas que disponibiliza plataforma online para o proprietário divulgar o seu imóvel e conseguir alugar um quarto e até mesmo todo o imóvel por temporadas (caso do Airbnb) ou alugar por um período maior (caso do Quinto Andar). No Quinto Andar “a estratégia deu certo, que as imobiliárias tradicionais passaram a usá-la para conquistar apartamentos em seu portfólio e aumentar as suas vendas com a indicação de seus clientes satisfeitos” Buzz Lead.

Internet das coisas

A primeira Revolução industrial foi a revolução da mecanização e da máquina à vapor, a segunda revolução foi a da produção em massa e da linha de montagem, a terceira foi da informática e automação industrial, a quarta está sendo da internet das coisas e dos sistemas cyber-físicos que são sistemas compostos por elementos computacionais colaborativos com o intuito de controlar entidades físicas.

Se você já assistiu a sequência de Iron Man e Os Vingadores deve ter visto que o melhor companheiro do Tony Stark é o Jarvis. Jarvis é uma inteligência artificial que comanda cada centímetro da casa do Tony. Massa né?! Isso é internet das coisas. É quando os objetos conseguem comunicar-se entre si para automatizar a vida do ser humano. Você já pensou como a internet das coisas poderia ajudar a tornar as cidades mais inteligentes (smart cities) com o uso do big data? E nos imóveis?

Em uma rápida pesquisa sites de busca podemos nos deparar com casas inteligentes que tratam da própria água e esgoto sem agredir o meio ambiente, geram a própria energia e a própria água, possuem sistema de segurança automatizado, controle de iluminação, sistema de som, cortinas motorizadas, fechaduras biométricas, aspiração central e irrigação automatizada são alguns dos recursos que uma casa inteligente possui.

Os benefícios que a tecnologia e a inovação podem trazer para o mercado imobiliário são inúmeros. Estar de mente aberta para aceitar e se adaptar às transformações sociais poderão ser um diferencial para o mercado que é responsável por cerca de 9% do PIB brasileiro.

Referências

https://www.ingaia.com.br/conheca-como-o-uso-da-tecnologia-no-mercado-imobiliario-pode-ser-benefico/

https://economia.estadao.com.br/blogs/radar-imobiliario/o-que-oferecem-as-casas-inteligentes/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s